sábado, 29 de setembro de 2007

O Morcego II - The untold story...

Em resposta ao pedido do Tiagão.

Esta versão do Milton expôs uma boa parte da história; com um ou outro lapso natural, visto que esta situação já remonta a mil, novecentos e troca o passo (97, talvez)... Quando eu ainda era um adolescente, no auge das minhas faculdades mentais, físicas, etc. Século passado, portanto!

Prólogo: Foi um ABS Crianças em que dormia no quarto que tem a janela para o parque. Janela essa que, nesse ano, não estava dotada de estores!
Como campista "velho" para um ABS Crianças e "pelos anos de casa" que já tinha, tive o privilégio de colaborar com o monitor do meu quarto em algumas saudáveis e aprazíveis brincadeiras! Estas (ficam para contar noutra história...ou não) levaram-nos a sair temporariamente do nosso quarto.
Com o calor que se fazia sentir naquele ano, era humanamente obrigatório as janelas dos quartos ficarem abertas durante a noite. Assim foi...

A Acção: De regresso das "aventuras", deparámo-nos com um vulto e um SCHLAK, SCHLAK pouco normal. Com os olhos a habituarem-se à escuridão, observámos a rapidez e agilidade de voo, a fisionomia do OVNI e não demorámos muito a perceber do que se tratava.
«E agora?», pensámos. Cansados, a primeira ideia que tivemos foi...chamar alguém para ter uma ideia! Os olhos esbugalhados do Tiagão (muito abertos mas destituídos de qualquer ponta de lucidez), bem como o seu balbuciar «Humm?... Humm?... Epá...epá!...» mostraram claramente que a nossa primeira escolha não fora a mais acertada.
No mesmo quarto do Tiagão (o da janela para as escadas) também estava a dormir o Timóteo Xavier (creio que também era monitor nesse ano). Ele respondeu ao chamamento e veio constatar o problema. Estupefacto, lembrou-se logo: «E agora?»
Após alguns momentos de conversa "de encher chouriços" sobre como é o animal entrara sem ser convidado, se seria mesmo um morcego, etc., o Milton decide prova-lo e acende a luz do quarto! O mamífero com asas aprende o que é o stress e desata a querer sair dali com voos picados, sem saber por onde tinha entrado... Razia às paredes, razia aos 2 campistas que lá dormiam, razia à porta escancarada...até que ZUM: vem direito ao corredor (a nós 3)! E nós ZUM, disparámos a fugir: Milton para as escadas, Timóteo para o quarto dele e eu para o do terraço. Naturalmente que encostei a porta para não ser seguido pelo tipo das asas. Pus-me à escuta e não ouvia nada... Momentos depois, ouço o Timóteo a chamar-me quase num sussurro e abro a porta, pensando que já tudo estaria resolvido, que o morcego já tinha saído pela porta da rua. Porém, apercebo-me que ele estava dentro do quarto dele, só com uma nesga da porta aberta (o suficiente para me ver) e pergunta-me «Estás bem?» Nem cheguei a responder! Estando à entrada do quarto, olho em frente e deparo-me com isto:

"Um rato com asas" a alta velocidade na minha direcção; um SCHLAK, SCHLAK em crescendo; o tomar consciência de que TENHO UM MORCEGO A VIR DIREITO A MIM!!! Reacção instintiva: fecho a porta mesmo no último momento. Tão "último" que o SCHLAK deu lugar a um estrondoso PAN, do mamífero a bater na porta!
Como devem imaginar, não saí do quarto enquanto o Milton e o Timóteo não me vieram buscar. Não voltava a arriscar abrir a porta "à fanfarrão"...

Epílogo: Na manhã seguinte apenas alguns ficaram a saber do episódio do morcego (não podiam saber todos, porque assim toda a gente também ficaria a saber quem eram os autores das "gracinhas" feitas). Todavia, com o tempo, o relato lá foi sendo divulgado.

Ainda assim, esta não foi a situação mais marcante desse acampamento! Ocorreu um célebre (pouco feliz, mas não completamente infeliz, graças a Deus) caso na Barragem de Montargil... Mas isso é outra história...

1 comentário:

ágape disse...

Sem duvida que esse shlak shlak vai marcar para sempre a minha vida no abs...mais k não seja pelas vezes k o aizack já a contou=)=)
Mas eu gosto dele à mesma=)
Velhas memorias!!!
como alguém dizia...tenho saudades desse tempo..